PASTORAL FAMILIAR

Diocese de luz - MG
VIA LUCIS
VIA LUCIS “Contemplar os mistérios da ressurreição em família”. DIRIGENTE: Sejam bem-vindos! É com muito amor que eu e minha família recebemos cada um de vocês. Que essa celebração nos ajude a vivenciar o Cristo Ressuscitado presente em nossas comunidades e famílias. LEITOR 1: O mistério pascal é descrito nos evangelhos como o ministério da paixão, morte e ressureição de Jesus Cristo. É muito comum acentuarmos a paixão e a morte de Nosso Senhor, especialmente, nas estações da Via-Sacra. Todavia, é importante meditar também o mistério da ressureição, pois se Cristo não ressuscitou a nossa é vã, como afirmou o apostolo Paulo (cf. 1Cor 15,14). Portanto, a Via Lucis nos ajuda a compreender o caminho de Jesus: pela Cruz para Luz. DIRIGENTE: Iniciemos o caminho da Luz, o caminho da Ressureição, invocando a Santíssima Trindade, cantando: Canto : Em nome do Pai... LEITOR 2 : “A ressurreição de Jesus Cristo é o evento central de nossa fé, passamos das trevas à luz da graça” (Col 1, 13). Vamos realizar esta VIA LUCIS deixando-nos ser iluminados pela ressureição do Senhor, afim de que, nossas famílias e comunidades, inspiradas na escola de São José, sejam lugares privilegiados de experiência do amor e do despertar vocacional. Canto: Cristo ressuscitou! Aleluia! Aleluia! Ressuscitou! (3x) Aleluia! Aleluia! (3x) Ressuscitou! 1ª ESTAÇÃO: JESUS RESSUSCITOU DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia LEITOR 1 : “Então o anjo disse às mulheres: Não tenham medo. Eu sei que vocês estão procurando Jesus que foi crucificado. Ele não está aqui. Ressuscitou, como havia dito! Venham ver o lugar onde ele estava” (Mt 28, 5-6). LEITOR 2: Neste momento em que vivemos, de pandemia da Covid-19, muitas famílias que se encontram por mais tempo dentro de casa, tiveram que se reinventar de diversas formas, para que o convívio familiar não se tornasse pesado e acabasse causando desentendimentos entre os familiares. Muitas famílias perderam seus entes queridos e precisam ser fortes para superar essas perdas. Diante da dor do luto, é necessário revigorar a confiança em Deus e acreditar que todos nós nos reencontraremos na ressurreição no último dia. Todos: O anúncio da ressurreição do Senhor enche-nos de esperança, pois alcança toda a realidade e experiência humana e nos a certeza de que em Cristo a vida vence a morte. LEITOR 3: Façamos um esforço para nos reinventar neste tempo de pandemia a fim de atravessarmos com prudência e sabedoria esse momento difícil. Confiantes, vamos seguindo fortalecendo a nossa em Deus e a união com os irmãos, pedindo que a Santíssima Virgem e São José, seu Castíssimo Esposo, nos cubra com seu manto sagrado, consolando e confortando o nosso coração, especialmente se perdemos algum ente querido. Assegurados pelo alento e pela força que vem de Deus caminharemos na esperança de que tão logo tudo isso passará. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Cristo ressuscitou! Aleluia! Aleluia! Ressuscitou! (3x) Aleluia! Aleluia! (3x) Ressuscitou! 2ª- ESTAÇÃO: OS DISCÍPULOS ENCONTRARAM O SEPULCRO VAZIO DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Então o outro discípulo, que tinha chegado primeiro ao túmulo, entrou também. Ele viu e acreditou.” (Jo 20, 8). LEITOR 2: Os pais, como primeiros discípulos de Jesus Cristo na família, devem ser modelos e testemunho do comportamento responsável que esperam de seus filhos. Diante dos desafios enfrentados com essa pandemia, os pais devem conscientizar os filhos que o momento exige os mesmos compromissos e responsabilidades individuais e comunitárias, pois não se trata de férias, mas de um período transitório de crise que exige adaptações e acima de tudo cuidado com a vida de todos. Nunca passamos tanto tempo com nossos filhos quanto agora. Portanto, aproveitemos esse tempo para inventar brincadeiras, criar lembranças positivas e dedicar um pouco desse tempo para acompanhar de perto o crescimento deles, tanto fisicamente quanto espiritualmente através de orações no ambiente familiar. Todos: A ressurreição do Senhor desperta no coração dos seus discípulos a certeza e a esperança de que a realidade do mal, por mais difícil que seja, pode ser superada. LEITOR 3: Que nossos filhos cresçam vendo o nosso testemunho de amor, a nossa dedicação para com a Igreja e para com as coisas de Deus, reconhecendo assim que nossa força para superar os desafios nos vem do Senhor. Distanciados, mas unidos em nossa Igreja doméstica, passamos a vivenciar momentos muito especiais e que antes não tínhamos condições devido aos inúmeros afazeres de cada um. Redescobrimos e abrimos espaços em nossas lidas diárias para a oração familiar, reforçando nossa experiência no poder da oração, sendo testemunhas de que, em muitos momentos de aflição em nossas vidas, os milagres aconteceram. Milagres que transformaram situações de dificuldades, em grandes alegrias. Somente a que vivenciamos todos os dias, nos faz sentir isso. Façamos, portanto, esse compromisso de reavivar nos filhos, através do testemunho, o dom da fé, fazendo-os conscientes de que, pode nos faltar tudo, mas não pode nos faltar a coragem e a força que brota da fé. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto:   - Eu e minha casa serviremos ao Senhor - Pe. Jonas Abib Deus não quer nos condenar Quer de nós uma decisão Para o nosso bem: Para nos salvar Pergunta hoje então: A quem você quer servir? Eu e minha casa serviremos ao Senhor (bis) 3ª- ESTAÇÃO: JESUS APARECE A MARIA MADALENA DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR1: “Então Jesus disse: ‘Maria’. Ela virou-se e exclamou em hebraico: ‘Rabbuni’ (quer dizer, Mestre).” (Jo 20,16). LEITOR 2: O despertar vocacional acontece dentro do contexto familiar. Cada vocacionado é convidado a partilhar com seus pais e irmãos o que sente, o que está sonhando e pensando como projeto de vida. A família é a primeira base de apoio para todas as vocações. Todavia, dependendo da sua situação, o contexto familiar pode ajudar ou dificultar. A vocação é sempre dom de Deus e, Ele mesmo, busca formas e meios de fazer frutificá-la, pois toda vocação comporta um serviço! Por isso, outro ingrediente muito importante que ajuda no amadurecimento humano e no discernimento vocacional é o engajamento eclesial e o serviço voluntário junto às comunidades de fé. Quem, desde cedo, não cresce na consciência da gratuidade do servir, está em dívida com o desapego. Deus nos chama para servi-lo nos necessitados! Vocação é serviço! Todos: Como Maria Madalena, discípula do amor que tem pressa, queremos reconhecer em Jesus Cristo nosso único Mestre e fazer da nossa vida uma resposta de amor e serviço aos irmãos. LEITOR 3: Neste Ano Santo, no qual o Santo Padre o Papa Francisco dedicou a São José. Como famílias, voltemos o nosso olhar para a vida e testemunho deste homem justo e fiel e, reconheçamos nele um coração de pai, capaz de dar e gerar vida no dia a dia. E é isto que as vocações tendem a fazer: gerar e regenerar vidas todos os dias. O Senhor deseja moldar os corações de pais, corações de mães, de filhos, para que sejam corações abertos, capazes de grandes ímpetos, generosos na doação, compassivos para consolar as angústias e firmes para fortalecer as esperanças. Na experiência de um amor que provém de um coração familiar aberto e generoso se encontram as sementes das primeiras experiências vocacionais. São José vem em nossa ajuda com a sua mansidão, como Santo ao da porta e pode, com o seu forte testemunho, nos guiar no caminho de santidade. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Porque Ele vive (Pe. Zeca) Porque ele vive Eu posso crer no amanhã Porque ele vive Temor não há Mas eu bem sei Que o meu futuro Está nas mãos do meu Jesus Que vivo está 4ª- ESTAÇÃO: JESUS CAMINHA COM OS DISCÍPULOS DE EMAÚS DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Será que o Messias não devia sofrer tudo isto, para entrar na sua glória? Então, começando por Moisés e continuando por todos os profetas, Jesus explicava para os discípulos todas as passagens da Escritura que falavam a respeito dele .” (Lc 24, 26-27). LEITOR 2: Os discípulos em caminhada iam na escuridão da noite para Emaús, depois da morte de Jesus sem entender tudo o que acontecia. Ao se colocar junto deles no caminho o Ressuscitado se põe na condição de quem se interessa pela vida e pelas experiências que trazem consigo. Nos dias de hoje, nestes tempos marcados por fragilidades e tribulações, intensificadas devido à pandemia, torna-se fundamental às famílias sentirem a presença do Senhor que caminha em nosso meio e, sustentadas por sua graça, viverem as virtudes próprias da fé, esperança e caridade. Todos: Como famílias, caminhemos na presença do Senhor Ressuscitado para que seja reavivada em nós a chama da fé, da esperança e da caridade. LEITOR 3: Contemplando o Ressuscitado que caminha com os discípulos de Emaús, presenciamos três atitudes de Jesus que podem nos ajudar como famílias: acompanhamento, ternura e paciência. Na vivência familiar é fundamental acompanhar de perto os que Deus coloca em nosso caminho e juntos caminhar, em um mundo cada vez mais disperso e solitário, sendo este um passo importante para compreender melhor o outro. O segundo ponto é a ternura, que é sinônimo de cuidado e afeto. O Senhor ao se encontra com os discípulos, caminha com eles, manifesta-lhes atenção e ao longo do percurso vai, abrindo-lhes o coração ferido. E o último ponto é a paciência. Quem acompanha e se dedica ao outro pode se frustrar com o ritmo e o tempo do outro, sendo preciso paciência para continuar na estrada. Peçamos ao nosso Divino Companheiro de estrada a graça de amar e, por isso, acompanhar, manifestando ternura e paciência com os nossos. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: O Senhor ressurgiu O Senhor ressurgiu, aleluia, aleluia! É o Cordeiro Pascal, aleluia, aleluia! Imolado por nós, aleluia, aleluia! É o Cristo, o Senhor, ele vive e venceu, aleluia 5ª ESTAÇÃO: OS DISCÍPULOS RECONHECEM O MESTRE AO PARTIR O PÃO DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Quando chegaram perto do povoado para onde iam, Jesus fez de conta que ia mais adiante. Eles, porém, insistiram com Jesus, dizendo: ‘Fica conosco, pois é tarde e à noite vem chegando... Então Jesus entrou para ficar com eles. Sentou-se à mesa com os dois, tomou o pão e abençoou, depois o partiu e deu a eles” (Lc 24, 28-31) . LEITOR 2: Jesus ao entrar naquela casa e sentar-se à mesa leva aqueles homens a uma experiência profunda de partilha da vida e do pão, recordando-lhes a entrega total de si mesmo para a vida do mundo, entrega esta que atualizamos sempre na Eucaristia e no serviço aos necessitados. Ao partir o pão eles reconhecem Jesus e têm assim o coração e a vida transformados. Após Jesus partir o pão junto aos discípulos, numa comunhão de mesa e de vida, Ele segue adiante, possibilitando aos discípulos reconhecê-lo neste gesto e compreenderem que agora Ele exerce um novo modo de ser presença em meio ao mundo. Presença que sacia a sede de vida e a fome do mundo, presença Eucarística que, por consequência, faz de todos os que d’Ele se alimentam membros de seu corpo a agir em meio ao mundo. Todos: Dai-nos a graça Senhor, de reconhecer vossa presença em meio a nós e assim caminharemos na alegria e na esperança na construção de um mundo mais humano e fraterno. LEITOR 3: Diante das dificuldades em que nos encontramos, devido a pandemia, deparamos com inúmeras famílias sendo afetadas por diversas amostragens de crise. Em alguns casos as famílias deparam-se com a realidade da separação e fica-nos a pergunta: por que esse triste cenário está se ampliando tanto? Sabemos que não é uma resposta simples e rápida, mas sabemos também que, quase sempre, isso ocorre devido à falta de amor, fraternidade e diálogo. Jesus ao partir o pão em sinal de fraternidade entre eles, nos deixa o exemplo de como deve ser nossas relações e nos mostra a importância da comunhão e partilha da vida. Onde Jesus se faz presente verdadeiramente os vínculos de unidade, fraternidade e comunhão são restaurados no amor. Peçamos a graça de que Ele permaneça conosco, em nossas famílias, dando-nos o exemplo de partilha e comunhão. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Fica Conosco, Senhor! - Pe. João Carlos Fica conosco, senhor! É tarde e a noite já vem! Fica conosco Senhor, Somos teus seguidores também 6ª- ESTAÇÃO: JESUS RESSUSCITADO MOSTRA AS FERIDAS DA CRUZ DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Então Jesus disse: ‘Por que vocês estão perturbados, e por que o coração de vocês está cheio de dúvidas? Vejam minhas mãos e meus pés: sou eu mesmo. Toquem-me e vejam: um espírito não tem carne e ossos, como vocês podem ver que eu tenho’” (Lc 24, 38-39). LEITOR 2: Jesus é o Ressuscitado que passou pela Cruz, Ele é o Deus que venceu a morte e a dor; Ele é o amor que vence toda ferida. Ele carrega consigo não as marcas do sofrimento, mas as marcas de um verdadeiro amor. Todos: Na presença do Ressuscitado temos a certeza de que em Deus nossas feridas podem ser transfiguradas, possibilitando-nos assim, fazer da nossa história de sofrimento uma nova história sustentada pela graça de Deus. LEITOR 3: No contexto em que vivemos passamos por muitas dificuldades, feridas, pessoas próximas falecendo, quanta dor e tristeza... o sentimento de perda preenche o coração. No entanto, basta acreditar e ter fé, pois Cristo se mostra em nosso meio, nos iluminando, nos conduzindo e nos dando força para vencermos todas as tribulações. Olharmos para a Cruz e percebermos a grande e magnifica prova de amor dada por nosso Senhor é testemunhar a experiência do amor e a força do Ressuscitado a todas as pessoas, especialmente aquelas que mais precisam e tem mais dor. Sejamos testemunhas do amor incondicional de Deus em nossas vidas. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Fica conosco, Senhor - Pe. João Carlos Fica conosco, Senhor! É tarde e à noite já vem! Fica conosco Senhor Somos teus seguidores também 7ª- ESTAÇÃO: JESUS DÁ AOS DISCÍPULOS O PODER DE PERDOAR OS PECADOS DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Depois dessas palavras, soprou sobre eles dizendo-lhes: Recebei o Espírito Santo. Àqueles a quem perdoardes os pecados, ser-lhes-ão perdoados; àqueles a quem os retiverdes, ser-lhes-ão retidos” ( Jo 20, 22-23). LEITOR 2: Um dos frutos e tarefas de quem experimenta a alegria da ressureição é o perdão. Jesus Ressuscitado, ao presentear com o dom do Espírito Santo os seus discípulos, também lhes a tarefa de serem instrumentos de misericórdia. Ele sabe que num mundo tão polarizado e dividido é preciso que seus seguidores suavizem as cruzes da humanidade ajudando a quebrar muros e construir pontes. Todos: Com o perdão que recebemos do coração misericordioso de Deus, somos chamados também a perdoar os nossos irmãos, construindo a fraternidade tão sonhada. LEITOR 3: A família não pode, como deve ser esse ambiente de misericórdia! “Que ninguém dormir sem pedir ou sem dar seu perdão”; como nos lembra a Oração pela Família (Padre Zezinho), assim pedimos a graça do Espírito Santo para que nossas famílias sejam cada dia mais misericordiosas e testemunhas do amor num mundo cada vez mais fragilizado pelas polarizações. Que Deus nos ajude a sermos instrumentos de misericórdia! DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Tua palavra é lâmpada para os meus pés Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, E luz pro meu caminho. Lâmpada para os meus pés é a tua palavra, Não ando sem destino. (bis) 8ª- ESTAÇÃO: JESUS RESSUSCITADO MOSTRA SUAS CHAGAS A TOMÉ DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1:    “Depois    disse    a    Tomé:    Introduz    aqui    o    teu dedo,   e   vê   as   minhas   mãos.   Põe   a   tua   mão   no   meu   lado. Não   sejas   incrédulo,   mas   homem   de   fé.  Respondeu-lhe Tomé: Meu Senhor e meu Deus!”   (Jo 20, 27-28). LEITOR 2: Após a ressureição, Jesus podia muito bem esconder suas feridas e mostrar somente sua glória a Tomé. Ele podia mostrar-se grande e fazer por meio de milagres que Tomé viesse a acreditar, mas ele não escolheu esse caminho. Mostrou-lhe o lado e as feridas abertas e Tomé então passa a acreditar. As marcas da crucificação passam a ser testemunhas da Ressureição. As feridas atestam a veracidade da luta e, o lado aberto, torna- se a porta do seu coração onde Tomé entra e faz a experiência da Ressureição. Todos: Nas chagas abertas do crucificado/ressuscitado se e se experimenta a grandeza do amor salvífico de Deus pela humanidade. LEITOR 3: Quais são as feridas abertas da minha família? É importante fazer essa pergunta sempre, pois as nossas chagas, feridas e cicatrizes, quando bem trabalhadas, podem nos fazer experimentar a ressureição dos relacionamentos, da confiança, da fidelidade, etc. Em mais um ano de pandemia as famílias parecem acumular novas feridas e dores, por isso devemos criar espaços em nossa convivência familiar e comunitária para partilhar também as dificuldades e as tristezas, pois essas realidades poderão se assumidas e cuidadas tornarem-se testemunhos de quem lutou até o fim e venceu. As feridas atestam a batalha e mostram como se arriscou quem esteve na luta. Cristo Ressuscitado nos ensinou isso mostrando suas chagas, manifestando assim o transbordamento do amor de Deus que, mesmo no sofrimento, manifesta amor incondicional. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: O pão da vida O pão da vida comunhão / nos une a Cristo e aos irmãos E nos ensina a abrir as mãos / para partir repartir o pão (bis). 9ª- ESTAÇÃO: JESUS RESSUSCITADO SE MANIFESTA AOS APÓSTOLOS ÀS MARGENS DO LAGO DE TIBERÍADES DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: Então aquele discípulo, a quem Jesus amava, disse a Pedro: É o Senhor. E, quando Simão Pedro ouviu que era o Senhor, cingiu-se com a túnica e lançou-se ao mar. E os outros discípulos foram com o barco, levando a rede cheia de peixes. Logo que desceram para terra, viram ali brasas, e um peixe posto em cima, e pão” (Jo 21, 7-9). LEITOR 2: Depois da frustação do Calvário, de um projeto falido e de um aparente fracasso messiânico, Pedro e os outros voltam à vida normal. Eram pescadores antes de se encontrar com o Nazareno e, diante do fracasso na cruz, concluíram que era hora de voltar às antigas atividades e ocupações. E é justamente nessa ocasião que o Cristo Ressuscitado chega, prepara-lhes peixe e pão na brasa e os espera na margem. Ainda que eles tivessem desistido de seus projetos e do Reino anunciado é com grande afeto, carinho e paciência que Jesus espera os seus. Todos: Dai-nos Senhor da vida, em meio as nossas decepções e fracassos, a graça da vossa presença e nos recorde a grandeza de vosso amor que tudo restaura. LEITOR 3: Muitas vezes somos nós que após passarmos por calvários deixamos de seguir Jesus e seguimos a vida como se Ele nem existisse. Mas que grande graça: Ele sempre nos espera com carinho e afeto após uma noite pesada de pescaria e de insucessos, com pão e peixe nas brasas. Essa pode ser uma ótima oportunidade de voltarmos para o Senhor, mesmo que ainda seja noite e pareça que o Calvário nunca terá fim, como nos lembrava o bispo do Araguaia Pedro Casaldáliga: “É quase noite. Mas pode ser manhã se insistirmos mais um pouco” Insistamos na alegria da manhã e da Ressureição! Ainda há tempo. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Jesus Cristo, nossa Páscoa - Irmã Míria Kolling Jesus Cristo, nossa Páscoa, ressuscitou e hoje vive. Celebremos, pois a sua festa na alegria da fraternidade. Jesus Cristo está vivo, entre nós! Aleluia, aleluia! (Bis) 10ª- ESTAÇÃO: JESUS CONFIA A PEDRO O CUIDADO DA IGREJA DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Depois de comerem, Jesus perguntou a Simão Pedro: ‘Simão, filho de João, você me ama mais do que estes outros?’ Pedro respondeu: ‘Sim, Senhor, tu sabes que eu te amo.’ Jesus disse: ‘Cuide dos meus cordeiros’” (Jo 21, 15). LEITOR 2: Jesus, ao encontrar-se novamente com Pedro, quer lembrá-lo da sua grande missão: cuidar da Igreja de Deus. Mas Pedro ainda tinha o coração ferido por ter negado o Senhor por três vezes. À medida que cresce a confiança do discípulo e a experiência do amor incondicional do Senhor, amor que permanece amando mesmo quando não é amado, toda a sua vida é restaurada. O amor de Simão Pedro ferido pelo medo e pela experiência da solidão e do vazio gerado pela ausência do Mestre é novamente buscado como no primeiro chamado também à beira do lago. Jesus por três vezes pergunta se Pedro o ama e ele o responde com toda segurança: “Sim, Senhor, tu sabes de tudo e sabes que eu te amo”. Todos: Alcançados pelo amor incondicional de Deus, somos chamados a amar e cuidar daqueles que Ele mesmo nos confiou como missão. LEITOR 3: No mundo existem diversas vocações, porém é necessário descobrir qual é a nossa vocação, pois é apenas em uma que somos chamados e que poderemos seguir com todo amor e fortaleza ao Senhor. Assim, como São José, somos convidados a sonhar, porque quando sonhamos somos introduzidos nas aventuras que o Senhor deseja que vivamos com intensidade e entrega total a Ele, entrega essa que se no serviço. Nesse sentido, como São José se entregou com total disponibilidade no serviço e no cuidado da Família de Nazaré, nossas famílias também são convidadas a cuidarem e acompanharem seus filhos na fidelidade, no amor, no serviço e no anúncio do Reino de Deus, pois assim tornarão seio de novas vocações e inúmeros testemunhos para a frutificação do seu projeto de amor. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: A paz esteja convosco Paz esteja convosco Esteja convosco e A paz esteja convosco A paz de cristo, cristo, Cristo nossa paz 11ª- ESTAÇÃO: JESUS ENVIA OS DISCÍPULOS EM MISSÃO DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Portanto, vão e façam com que todos os povos se tornem meus discípulos, batizando-os em nome do Pai, e do Filho, e do Espírito Santo, e ensinando-os a observar tudo o que ordenei a vocês. Eis que eu estarei com vocês todos os dias, até o fim do mundo” (Mt 28, 19-20). LEITOR 2: Jesus comunica aos discípulos sobre o Espírito Santo para que eles tenham toda a sabedoria, toda a força e coragem de levar a todos os lugares a Boa Nova que é o Evangelho. Mas junto com esta ordem de anunciar vem uma promessa maravilhosa: Jesus estará conosco todos os dias até o fim do mundo. Todos: Que nossas famílias nunca percam a consciência de serem missionárias da Boa Nova de Cristo e possam testemunhar em seu lar as maravilhas do Senhor. LEITOR 3: Assim como Jesus envia seus discípulos ao mundo para anunciar a Boa Nova do Evangelho, nossas famílias são convidadas de uma forma diferente a enviarem seus filhos ao mundo, os quais sabem que podem voltar ao seio materno onde se sentirão acolhidos, amados e cuidados. Sentimentos esses que o mundo não nos proporciona viver. O mundo nos faz escravos, dependentes de sentimentos que não nos trazem realizações como seres humanos. Assim, quando conhecermos a Boa Nova do Evangelho alicerçados no convívio familiar, encontraremos o nosso destino final: o encontro com Deus, a partir do amor, do zelo e do cuidado uns para com os outros. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Minha essência - Thiago Brado Hoje estou aqui Não porque mereço, eu sei Pois Tu sabes por onde eu andei Conheces bem o meu perfume 12ª- ESTAÇÃO: A ASCENSÃO DE JESUS DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Homens da Galileia, por que vocês estão parados, olhando para o céu? Esse Jesus que foi tirado de vocês e levado para o céu, virá do mesmo modo como vocês o viram partir para o céu” (At 1, 11). LEITOR 2: Jesus volta ao Pai, sobe ao céu. É a Ascensão. Seus seguidores não devem ficar a olhar para o céu, mas também para a terra. Do céu, Jesus guiará a missão da Igreja. Jesus iniciou o Reino com a Sua presença na terra, agora cabe a cada um de nós, anunciar e trabalhar por Ele, testemunhando a partir da nossa vida, o Seu amor e cuidado por cada um de nós, através da sua palavra que nos salva e nos santifica, pois somos chamados por Ele a participar de sua glória. Todos: Contemplar a glória de Jesus é contemplar também a glória de todos aqueles que creem n’Ele. Como famílias, na vivência da fé, peregrinamos rumo a pátria definitiva na certeza de termos em Deus nossa morada definitiva. LEITOR 3: Diante dos grandes males e consequências desta pandemia, nos deparamos com diversas experiências, algumas de perda e outras de recuperação. Entretanto, o que está sendo mais doído para todos nós é a perda de um ente querido. Esta experiência gera grande dificuldade de aceitação desta dura realidade e, consequentemente surge as dúvidas de e a dificuldade de entregarmos e confiarmos na ressureição dos mortos. Como Cristãos Católicos, acreditamos na ressureição e que a morte não é o ponto final de uma vida; pois o próprio Cristo, que morreu por nós, para que pudéssemos ser salvos e libertos das nossas faltas e dos nossos pecados, está vivo e nos garante também a vida eterna. Nesse sentido, devemos sim viver a experiência do luto, mas também entregar o ente querido aos cuidados da misericórdia de Deus, confiando que um dia estaremos todos juntos na Sua glória. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Fortes na Fé – Pe. Zezinho Fortes na fé, anunciamos o poder da vida Fortes na fé, anunciamos que Jesus é Deus Fortes na fé, Fortes na fé, profetizamos que Ele reinará 13ª- ESTAÇÃO: MARIA EM ORAÇÃO COM OS DISCÍPULOS DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “Todos eles tinham os mesmos sentimentos e eram assíduos na oração, juntos com algumas mulheres, entre as quais Maria, mãe de Jesus, e com os irmãos de Jesus” (At 1, 14). LEITOR 2: Maria foi quem perseverou e ajudou a cada um dos discípulos a esperar o que Jesus havia dito acerca do mistério da redenção. Tendo experimentado do anúncio do anjo, na encarnação do Verbo Divino em sua vida, e a força do poder de Deus, Maria, sempre confiava em Sua fidelidade, sabendo assim, esperar o cumprimento de suas promessas. Juntamente com os discípulos, reunidos no Cenáculo, Maria recebe mais uma vez a graça e a força do Espírito Santo, sendo solidária e companheira do povo que peregrinava rumo à casa do Pai. Maria é mãe da Igreja evangelizadora e missionária. Ela é mãe, educa na fé, no amor e na paz, porque se fez também primeira discípula do próprio Filho. Todos: A exemplo de Maria, queremos também ser solidários à todos aqueles que pelas estradas da vida encontram percalços, correndo o risco de desistir de lutar. LEITOR 3: Como Maria, nossa mãe, devemos aprender a viver a vida de oração. quando somos pessoas de oração é que conseguimos ter os mesmos sentimentos de Cristo em relação aos nossos irmãos e irmãs. Com confiança peçamos a Virgem Maria e também a São José, que nos ajude a abandonar a nossa vida nas mãos Deus e a descobrir as maravilhas que Ele faz por nós ao rompemos com nossos projetos pessoais para abraçar o sonho de Deus em favor da humanidade. Que mesmo em tempos de crise e pandemia, acreditemos e confiemos plenamente no amor de Deus e, que à luz da nossa fé, possamos viver o amor que Ele nos mereceu. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: A barca (Pescador de homens) Senhor, Tu me olhaste nos olhos, a sorrir pronunciaste meu nome, lá na praia eu deixei o meu barco junto a Ti buscarei outro mar. 14ª- ESTAÇÃO: PENTECOSTES DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1: “E de repente veio do céu um som, como de um vento veemente e impetuoso, e encheu toda a casa em que estavam assentados. E foram vistas por eles línguas repartidas, como que de fogo, as quais pousaram sobre cada um deles. E todos ficaram cheios do Espírito Santo, e começaram a falar noutras línguas, conforme o Espírito Santo lhes concedia que falassem” (At. 2,2-4). LEITOR 2: No dia de Pentecostes os discípulos experimentaram uma grande alegria, pois nascia ali a primeira comunidade cristã, reunida na força do Ressuscitado. Nascia a Igreja de Nosso Senhor Jesus Cristo. Os discípulos, cheios do Espírito      Santo, compreendem   que   são   eles   que   agora   têm   a   missão   de continuar   as   ações   de   amor   de   Jesus,   mantendo   acesa   a esperança   do   povo   enquanto   caminham   ao   encontro   com   o Pai.   Pelo   derramamento   do   Espírito,   todos   os   que   ali   se encontravam,   puderam   escutar   e   contemplar   as   maravilhas e o poder de Deus. Todos:   Como   em   Pentecostes   Senhor,   dai-nos   a   graça   de corresponder   ao   dom   do   Vosso   Espírito   e   viver   a   unidade, superando toda disputa e discórdia. LEITOR 3 : O mundo tem necessidade de homens e mulheres que não estejam fechados em si mesmos, mas repletos do Espírito Santo que nos possibilita a comunhão. O mundo precisa de pessoas de coragem, de esperança, de e de perseverança como os discípulos de Cristo. Somente por meio do Espírito Santo e de sua ação poderemos proclamar as maravilhas de Deus em uma única linguagem, a do amor. Que o Espírito Santo não nos permita escondermos com medo de assumirmos a nossa condição de cristãos, testemunhando a nossa fé. Que possamos ajudar nossos irmãos e irmãs, como anunciadores do teu amor, a superar toda discórdia e divisão e em nosso ambiente familiar, onde vivemos situações de tristezas, angústias, decepções e medo, pedir a ação do teu Espírito sobre nós. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: A edificar a Igreja - Agnus Dei Irmão, vem, ajude-me Irmã, vem, ajude-me A edificar a igreja do senhor Eu sou a igreja, você é igreja Somos igreja do senhor 15º ESTAÇÃO MARIA, MÃE DE JESUS E NOSSA DIRIGENTE: O Senhor ressuscitou verdadeiramente. Aleluia! TODOS: Como anunciaram as Escrituras. Aleluia! LEITOR 1 : “E aqueles que Deus predestinou, também os chamou. E aos que chamou, também os tornou justos. E aos que tornou justos, também os glorificou” (Rm 8, 30). LEITOR 2: Maria, mãe de Deus e nossa mãe, desde o anúncio do anjo de que encontrastes graças diante de Deus, confirmou essa predileção e chamado de amor, pautando toda sua vida na realização da vontade do Pai. Tendo sido preparada por Deus para ser a Mãe do seu Filho Amado, Nosso Senhor Jesus Cristo, Maria correspondeu com fidelidade à missão recebida, acompanhando seu Filho até o alto da cruz, suportando tudo, sustentada pela fé. No alto da cruz, diante da tragicidade, miséria e maldade humana, Maria recebe do Filho, como herança daquele que está para morrer a riqueza pela qual entregou a própria vida. Confia à sua mãe a maternidade e o cuidado de toda a humanidade: “Mulher, eis teu filho” e, na pessoa de João, o discípulo amado, entrega àquela que em tudo soube agradar a Deus, dizendo: “Filho, eis tua Mãe”. Terminados os seus dias na terra, Maria foi elevada ao céu. Ela que viveu de corpo e alma para Deus foi elevada ao céu também de corpo e alma. LEITOR 3: O destino de Maria foi o céu e sua vida foi um caminho de luz entre alegrias e angústias, de muita esperança e de no Deus único e verdadeiro. Mesmo sofrendo muito, Jesus se preocupava com sua mãe e seus discípulos. Preocupava-se em primeiro lugar com sua família, não com o cuidado físico de sua mãe, mas também com o cuidado emocional. O amor pelos discípulos e por sua obra, que é a Igreja, é equivalente ao amor pela família. Que possamos guardar todos os ensinamentos de Maria na vivência deste amor materno atentos às coisas de Deus e com os pés na terra, onde somos chamados a servir aos irmãos e irmãs e com os olhos no céu, contemplaremos, um dia, a glória da Ressureição. DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! Canto: Tu és a razão da jornada Um dia escutei teu chamado, Divino recado batendo no coração. Deixei deste mundo as promessas E fui bem depressa no rumo da tua mão ORAÇÃO FINAL DIRIGENTE: Tendo contemplado os mistérios da ressurreição do Senhor, colocamo-nos como os primeiros discípulos, na dinâmica da redenção. Assim pedimos a Vossa graça para que possamos ter os olhos abertos e iluminados pela Vossa Luz, a fim de ver as necessidades dos irmãos que encontrarmos pelo caminho e sustentados pelo Vosso Espírito, possamos testemunhar os frutos da vida de fé em nosso proceder. LEITOR 1 : A Via Lucis é uma devoção popular com tradição desde a Idade Média, sendo percorridos os momentos mais importantes da Paixão e Morte de Cristo. Que o Senhor nos ajude, depois de termos feito essa oração, a caminhar e a servir na humildade, reconhecendo que a verdadeira vida está em Cristo Ressuscitado. LEITOR 2: Que junto de Maria e São José, nossas famílias sejam verdadeiros “santuários”, onde a vida é preservada de todo o mal e verdadeiros “hospitais”, onde podemos acolher e cuidar das feridas abertas no coração das pessoas, causadas pela injustiça, pela desigualdade, pelo ódio, etc. LEITOR 3: Faz-nos, Senhor, filhos atentos ao Teu olhar e, que vivamos, cada vez mais, de coração aberto, de olhar atento e de espírito vigilante na Igreja, em nossa casa e no mundo. TODOS: PAI NOSSO, AVE MARIA... DIRIGENTE: Glória ao Pai, ao Filho e ao Espírito Santo. TODOS: Como era no princípio, agora e sempre. Amém! DIRIGENTE : Sagrada Família de Nazaré. TODOS: Abençoai e santificai as nossas famílias e dai-nos a paz. DIRIGENTE: Como Maria e São José, que viveram a força da Ressureição de seu Filho, recebendo em Pentecostes a plenitude dos dons do Espirito Santo, queremos caminhar na vivência da Páscoa e da eterna ressureição. TODOS: Amém!
ORAÇÃO VOCACIONAL PARA TODOS OS DIAS  VOCACIONAL Senhor da Messe e Pastor do Rebanho, faz ressoar em nossos ouvidos teu forte e suave convite: “Vem e segue-me”. Derrama sobre nós o teu Espírito, que Ele nos dê sabedoria para ver o caminho e generosidade para seguir tua voz.  Senhor, que a Messe não se perca por falta de Operários. Desperta nossas comunidades para a Missão, ensina nossa vida a ser serviço. Fortalece os que querem dedicar-se ao Reino na vida consagrada, religiosa e leiga.  Senhor, que o Rebanho não pereça por falta de Pastores. Sustenta a fidelidade de nossos ministros, bispos, padres, diáconos e todos os missionários. Dá perseverança a nossos seminaristas e abençoa nosso Seminário. Desperta o coração de nossos jovens para o ministério pastoral em tua Igreja.  Senhor da Messe e Pastor do Rebanho, chama-nos para o serviço de teu povo.  Maria, Mãe da Igreja, modelo dos servidores do Evangelho, ajuda-nos a responder SIM.  São José, Patrono zeloso da Igreja, terno pai adotivo, educador e guia vocacional do Enviado do Pai, intercede junto a teu Filho Jesus pela Diocese de Luz, para que tenhamos, neste novo centenário muitas, santas e fiéis vocações para servir ao povo de Deus.  Nossa Senhora, Mãe da Luz, São José, e São Rafael, rogai por nós. (Oração do Ano Vocacional 1983, adaptada para o Centenário da Diocese, no Ano Santo São José, 2021)
Comissão Diocesana da Pastoral Familiar Comissão Diocesana da Pastoral Vocacional
VIA LUCIS PARA REZAR EM FAMÍLIA
MATERIAL TRABALHADO NA SEMANA DA FAMÍLIA  DA DIOCESE DE LUZ - MG
IMPRIMIR